Texto e Monumentalidade no Culto aos Cinco Mártires de Marrocos em Portugal

 

Sem remontar a – simular – um real fixo, [o texto] constrói o teatro móvel de seu movimento, para o qual contribui e do qual é atributo.

(Julia Kristeva)

Financiado pelo Programa de Residência em Pesquisa da Fundação Biblioteca Nacional (edição 2016), o projeto do professor Marcelo Berriel, intitulado Texto e Monumentalidade no Culto aos Cinco Mártires de Marrocos em Portugal: a narrativa do martírio como texto histórico na obra de frei Marcos de Lisboa, foi concluído em meados de 2018.

Tendo como fonte principal a obra de Frei Marcos de Lisboa intitulada Chronicas da Ordem dos Frades Menores do Seraphico Padre Sam Francisco, a pesquisa buscou fugir à abordagem costumeira que encara tais narrativas como “discurso hagiográfico” e investigou como o relato de martírio esteve intrinsicamente relacionado à produção de memória social. No texto, os mártires de Marrocos foram crucificados para que os leitores valorizassem uma memória com coesão identitária.

Notícia no site da Biblioteca Nacional do Rio de Janeiro

 

 

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s