A “revolução” de 64 e outros passados paralelos: dos negacionismos ao Deus Vult

Luiz Felipe Anchieta GuerraIgor Tadeu Camilo Rocha Vivemos cercados de incertezas, em meio a uma crise sanitária, econômica e política sem precedentes em nosso país, mas uma coisa é certa: hoje é o último dia de março. O temido 31 de março, que ainda nos assombra na memória recente, especialmente no contexto atual. Apesar disso, […]

Read more "A “revolução” de 64 e outros passados paralelos: dos negacionismos ao Deus Vult"

Melhorando Dungeons & Dragons: racismo e os “bárbaros”

Paul B. Sturtevant, The Public Medievalist Trad. por Luiz Guerra* Dungeons and Dragons é extremamente popular – provavelmente a releitura de fantasia mais popular sobre Idade Média no mundo hoje. Considerando que as edições anteriores do jogo sempre foram um pilar da cultura “nerd” mais hardcore, a atual 5ª edição de D&D (publicada em 2014) […]

Read more "Melhorando Dungeons & Dragons: racismo e os “bárbaros”"

A Escavação: a romantização de um passado anglo-saxão revela um filme feito para o Reino Unido pós-Brexit

Louise D’Arcens, Macquarie University Trad. por Luiz Guerra* Em 1939, um barco saxão do século VII foi descoberto em Sutton Hoo, a propriedade de Edith Pretty em Suffolk. A descoberta deste navio iria transformar a compreensão moderna sobre a Inglaterra alto-medieval, lançando luz sobre a sofisticação de suas práticas funerárias, suas habilidades técnicas e artísticas […]

Read more "A Escavação: a romantização de um passado anglo-saxão revela um filme feito para o Reino Unido pós-Brexit"

Por que a extrema direita e supremacistas brancos adotaram a Idade Média e seus símbolos?

Por que os supremacistas brancos usam símbolos medievais? Extremistas brancos adotam ideias existentes para legitimar suas ideologias e falsas afirmações sobre o passado. Uma sociedade feudal rigidamente estruturada governada pela violência de um rei e da nobreza é atraente para os fascistas. A maior parte das nações ditas “ocidentais”, incluindo a Austrália, entende a Idade […]

Read more "Por que a extrema direita e supremacistas brancos adotaram a Idade Média e seus símbolos?"

Por uma sociologia da santidade canonizada na Igreja Católica: as reflexões de Pierre Delooz

           Abaixo, apresenta-se um resumo dos principais argumentos de Pierre Delooz em seu clássico artigo: Por uma sociologia da santidade canonizada na Igreja Católica, publicado pela revista Archives de Sciences Sociales des Religions em 1962. Este resumo integrou as discussões da disciplina optativa história da santidade de Tertuliano ao movimento neopentecostal […]

Read more "Por uma sociologia da santidade canonizada na Igreja Católica: as reflexões de Pierre Delooz"

“Guerreiros e Camponeses”: feudalidade sob o olhar de Georges Duby.

Este texto apresenta notas de aula da disciplina História Medieval e tem como objetivo explicar o capítulo VI “A Era do Feudalismo” do livro DUBY, Georges. Guerreiros e Camponeses: os primórdios do crescimento econômico europeu (séc. VII-XII). Lisboa: Editorial Estampa, 1993.   O que são os “sinais de expansão”? Na pista dos sintomas do desenvolvimento da expansão material […]

Read more "“Guerreiros e Camponeses”: feudalidade sob o olhar de Georges Duby."

Medievalismos no Simpósio Eletrônico Internacional de Ensino de História

O 5º Simpósio Eletrônico Internacional de Ensino de História, que será realizado entre os dias 8 a 12 de Abril de 2019, contará com a mesa “Ensino e Medievo”: Medievalismos“, coordenada pelo Prof. Dr. Renan Birro (UPE), novo membro do Linhas. Esta iniciativa apresenta um conjunto de conferências e comunicações com reflexões teóricas e/ou práticas […]

Read more "Medievalismos no Simpósio Eletrônico Internacional de Ensino de História"

Breves considerações: de Justiniano a Maomé

Desde o século V, apenas o império romano do oriente estava de pé, o império ocidental fragmentara-se em diversos reinos “bárbaros”.  No Ocidente, em 500, o cristianismo era a única religião pública em toda a área do Mediterrâneo; desde então, o centro de poder estava em Constantinopla[1].  O poder permanecia nas cidades, porém, eram os […]

Read more "Breves considerações: de Justiniano a Maomé"

O Blues: possibilidades de abordagens para pesquisas em história

Este texto é oriundo das notas de aula da disciplina História e Música, ministrada no nível de graduação do curso de História da UFRRJ (campus Nova Iguaçu). Origens do “gênero” e história social Definir um tipo de música é algo extremamente difícil, sobretudo porque se trata de uma arte na qual o envolvimento do público […]

Read more "O Blues: possibilidades de abordagens para pesquisas em história"